Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

repressão

  • CPPC condena a repressão das autoridades marroquinas no Sara Ocidental

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) denuncia a violenta repressão levada a cabo pelas forças militares e policiais marroquinas contra as populações sarauís de Al Aaiún, capital do Sara Ocidental, ocupado pelo Reino de Marrocos. Forças especiais de ocupação marroquinas, incluindo polícia anti-motim, agentes à paisana e militares do exército, reprimiram violentamente os manifestantes sarauís, causando dezenas de feridos e inúmeras detenções.

    Os trabalhadores, incluindo desempregados, protestavam contra a discriminação de que são vitimas no acesso ao emprego pelo facto de serem sarauís e contra a ilegal exploração dos recursos naturais do Sara Ocidental pela potência ocupante, o Reino de Marrocos.

  • Repúdio pela violenta repressão contra a população ucraniana


    O Conselho Português para a Paz e Cooperação manifesta a sua profunda preocupação e denuncia o clima de violência que se vem instalando na Ucrânia, degenerando em guerra civil, na sequência da quebra da ordem constitucional e da intromissão de interesses e forças externas. A violenta repressão exercida contra a população ucraniana que rejeita o poder golpista que tomou o poder em Kiev está a ser protagonizada por forças fascistas coniventes com o poder ilegítimo que ajudaram a instalar na Ucrânia.