Outras Notícias

  • Faleceu Carlos do Carmo 04-01-2021

    Ao tomar conhecimento do falecimento de Carlos do Carmo, personalidade ímpar da cultura portuguesa, da música, um dos maiores intérpretes do fado, democrata e...

  • CPPC homenageia Rui Namorado Rosa e 70 anos de luta pela paz 17-03-2019

    O CPPC homenageou Rui Namorado Rosa, membro da sua Presidência e que durante anos assumiu as funções de presidente e vice-presidente da direcção nacional. A...

  • Faleceu Armando Caldas 13-03-2019

    Hoje, 13 de Março de 2019, o encenador e actor, membro da Presidência do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC), Armando Caldas, deixou-nos. Com um...

  • Homenagem a Rui Namorado Rosa 11-03-2019

    O Conselho Português para a Paz e Cooperação tem o privilégio de contar com a participação, nos seus órgãos sociais, de Rui Namorado Rosa, que foi seu...

  • Falecimento de Vítor Silva 08-08-2018

    A Direcção Nacional do Conselho Português para a Paz e Cooperação (CPPC) lamenta informar do falecimento de Vítor Silva, ocorrido na madrugada de hoje. Membro do...

Coreia do Norte

  • Declaração do Conselho Mundial da Paz

    Declaração do Conselho Mundial da Paz acerca da recente resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas sobre a RPD da Coreia

    O Conselho Mundial da Paz (CMP) expressão a sua séria preocupação com a recente resolução do Conselho de Segurança das Nações Unidas, de 5 de Agosto (2371/2017) de impor sanções contra a República Popular Democrática (RPD) da Coreia e o seu povo.

    O CMP reafirma a sua firme solidariedade com o povo coreano e o seu direito a decidir sem ingerências o seu futuro, ao mesmo tempo que rejeitamos e denunciamos as ameaças efectuadas pela Administração norte-americana e seus aliados na região contra a soberania da RPD da Coreia. Condenamos os exercícios militares dos EUA, Coreia do Sul e Japão na região e também a presença de 28 000 militares norte-americanos no Sul da Península Coreana. A instalação do sistema anti-míssil (THAAD) dos EUA na Coreia do Sul constitui mais um passo na estratégia de escalada das ameaças, pretendendo permitir aos EUA a hipótese de um primeiro ataque impedindo uma retaliação.